Becoming a meme

Pepper spray cop, you´re a meme now

Anúncios

Deixe um comentário

Chevron, learn from BP. This is how you manage a big disaster:

Deixe um comentário

É a Gota D’ Água +10

Comments (1)

Cortina de Fumaça

Cortina de Fumaça coloca em questão a política de drogas vigente no mundo, dando atenção às suas conseqüências político-sociais em países como o Brasil e em particular na cidade do Rio de Janeiro. Através de entrevistas nacionais e internacionais com médicos, pesquisadores, advogados, líderes, policiais e representantes de movimentos civis, o jornalista Rodrigo Mac Niven traz a nova visão do início do século 21 que rompe o silêncio e questiona o discurso proibicionista. O filme foi produzido, escrito e dirigido pelo jornalista Rodrigo Mac Niven, numa co-produção entre a J.R. Mac Niven Produções e a TVa2 Produções.

Site oficial: cortinadefumaca.com

Deixe um comentário

What Does it Mean to be Free?

Da Adbusters:

What Does it Mean to be Free?

The post-World War II American dream was a strange, fleeting moment in global history – an opulent and optimistic 50 years when the world was our oyster and individual freedom reigned supreme. Now we’re beginning to realize that this dazzling celebration of individual autonomy begat some very dark consequences. It gave birth to entire generations of hyper-individuals plagued by a bottomless hunger for MORE. Despite footprints five times larger than they should be, they still want MORE. And when they don’t have the money, they turn their backs on reality, max out their cards and get what they want anyway.

Over the space of only 50 years, consumption in America went up by 300 percent and the American dream devolved into an insatiable colony of hungry ghosts. If you scratch just beneath the surface of our ecological and economic crises, you’ll find a crisis at the core of consciousness — a diseased way of life and sense of self — a cultural crisis of freedom-without-responsibility run amok.

Now with the world’s natural capital largely consumed and the climatic tipping point approaching fast, we’re in for a massive reappraisal of what individual freedom and the pursuit of happiness are really all about. Is every person on the planet entitled to glide around in a ton of metal — air conditioning blasting, gasoline burning? Does every human being on Earth have the right to a fridge, a flush toilet, hot running water and a car?

ONE STANDARD FOR ALL

Here’s the $64-billion apocalypse-now question that Copenhagen failed to answer: Should the right to emit greenhouse gases be shared equally by all people on Earth? Known in diplomatic circles as the “per capita principle,” this universal, one-standard-for-all principle has long been insisted upon by China, India, Brazil and most other developing nations. Applying this principle would allow each of the planet’s seven billion people an annual emissions quota of 2.7 tons of carbon dioxide. That’s harsh news for Americans and Canadians, who currently emit 20 tons per person, Europeans who emit 9 tons, Australians who emit 18 tons and Japanese who emit 9 tons.

Editorial completo aqui.

Comments (1)

Leis

Uma boa análise da Sangha Margha:

…2. As leis da sociedade e da família: são as leis do coletivo, dos homens e mulheres. As leis necessárias para que possa haver um corpo social em harmonia (mínima pelo menos) para a coexistência. Estas leis evidentemente são muitas vezes arbitrárias, circunstancias e conservadoras. Causadora de constantes conflitos porquê são verdades para uns e não necessariamente para outros. Movem-se no ritmo dos desejos de alguns e de um coletivo confuso e pouco esclarecido, a ser conduzido. Pode-se dizer: de um coletivo formado por pessoas que não querem e acreditam não terem tempo, nessa vida, para abandonar a delusão. E é assim, as coisas estão no seu devido lugar, pretender revolucionar a sociedade é criar novas leis destas, não resolverá. No entanto é preciso sim, que haja leis do tipo 2, precisamos conviver, somos seres sociais, um só corpo, segundo a primeira lei. Estas leis devem, em sua grande maioria serem abandonadas, o quanto antes. Mas, importante: as leis são abandonadas dentro de nós mesmos, não deveríamos querer convencer os outros arbitrariamente, não há abandornar por outro, e não há necessidade de estourar bombas e revolucionar o mundo, ou outra forma qualquer ostensiva e agressiva. Lembre-se, somos um só corpo, se eu mudo, o mundo já não é o mesmo…

Obrigado 🙂

Comments (1)

das estrelas

Até mencionar Jesus tava beleza, a reflexão sobre a interdependência já bastava. Precisou de muito mais do que as estrelas pra estarmos aqui (como intenção e consciência, por exemplo). Mas vale a reflexão, do pó vieste, ao pó voltarás.

Deixe um comentário

Older Posts »